Uma questão de honra das marcas

Ninguém gosta de ser enganado. Ou de se sentir enganado. Se a dúvida fica, é a confiança que vai. E perde-se negócio. Se é verdade em B2C, é mais verdade em B2B.

Buyers of all types are looking for the emotional truth behind an offer or brand, not just rational benefits.

Ann Handley

Em qualquer tipo de negócio, as pessoas pretendem marcas que lhes transmitam autenticidade. Não somente a frieza dos preços (depende aqui também o critério de compra das pessoas ou das empresas).

O preço é definido. Aceitar o preço é uma perceção do valor do produto, serviço, da confiança na marca. Principalmente nos negócios B2B. Porquê?

Empresários. Homens de negócios. Profissionais. Experientes. Atentos. Observadores. Também são clientes de alguém. E no papel de cliente decerto que não se deixam enganar. Porque sabem interpretar, enquanto clientes, a comunicação das marcas que apresentam os seus serviços e produtos. O que dizem, como dizem. Se dá ou não confiança.

Na visualização de um conteúdo, seja um website, um email, um artigo, um ebook ou uma proposta comercial, se o conteúdo escrito não for autêntico, honesto, real e não transmitir confiança nem empatia, está a um passo de ser rejeitado.

Entre várias propostas de vários concorrentes, com similares ofertas, são as pessoas e as marcas que conseguem passar uma mensagem escrita de forma genuína, pelo que dizem e como dizem, que se vão diferenciar. As palavras, essas, são cruciais.

Tom Cruise no papel que representa no filme Uma questão de honra afirma:

I want the truth.

Todos a queremos. Para as marcas é necessário que saibam comunicar a mensagem com uma voz e um tom de voz genuíno, com valores e personalidade de marca. Ganhando a confiança de quem lê.