A roda existe, tem é que ser pintada de vermelho.

“Não é preciso reinventar a roda.”
A roda já está inventada. Já existe. É preciso é fazer e concretizar.

Num sentido pragmático funciona. Ou seja, andar à roda e à roda para inventar uma coisa que vai demorar tempo e tempo, com criatividade que não sai do mesmo sítio, não é viável e gasta dinheiro. Pelo que algumas vezes é recomendado copy & paste ou parecido. Vindo principalmente de executivos, ou seja, com cargos de get things done. Até percebo a perspetiva.

Mas para quem trabalha marcas, a realidade é outra. A marca é diferenciação. Mesmo que não se tenha que reinventar a roda, é suposto fazê-la diferente. Não sei, pintá-la de vermelho, pôr-lhe umas jantes porreiras, fazê-la mais larga, com um piso xpto, adaptá-la não só para inverno e verão, mas para primavera, verão, outono e inverno, etc. É preciso é que seja diferente, que acrescente valor, mesmo que inspirada no que existe.  A criatividade tem que vir de algum lado, mas tem inspiração de diferentes fontes.

Copiar ou fazer igual é que é um desperdício de tempo e dinheiro.